Blog

Doula: a importância da assistência respeitosa

Muito tem-se falado a respeito do parto humanizado. Cada vez mais mulheres buscam informações e optam por este tipo de parto que respeita, principalmente, o bebê e o seu tempo de chegada.

Porém, em um país onde a cesárea é predominante, o universo do parto natural ainda se mostra desconhecido, cheio de dúvidas e anseios. E um dos papéis fundamentais neste cenário, entre tantos outros, é o da doula. 

Você sabe o que ela faz? 

Por isso, hoje, trouxemos aqui um depoimento incrível da doula Fernanda Canobel e também autora do livro "Doulas: amparo à humanização do parto". Fernanda é uma jornalista que se descobriu doula e, desde então, dissemina informação sobre a humanização do parto por onde passa. Confira:

"Tive contato com o universo da humanização do parto e nascimento em 2013, quando iniciei a pesquisa para meu trabalho de conclusão do curso de Jornalismo, para o qual produzi um livro-reportagem que aborda a importância da doula no parto.

A princípio a ideia era fazer um resgate histórico da atividade das doulas voluntárias na maternidade pública de Americana – um projeto pioneiro no estado de São Paulo, em que pacientes do SUS tem acesso à assistência das doulas há mais de 10 anos.

Entretanto, por indicação do meu orientador, assisti ao filme O Renascimento do Parto, que foi um verdadeiro divisor de águas, não apenas para o meu projeto, mas para a vida. Isso porque o documentário promove uma reflexão profunda não apenas acerca do sistema que impõe a ideia de que o parto é uma atividade médica, mas também sobre o nascimento e os reflexos positivos ou negativos que a forma de nascer proporcionam ao desenvolvimento e a vida dessa nova pessoa.

Foi a partir de então que eu, que sequer havia refletido algum dia sobre a questão do parto, percebi a importância da assistência respeitosa tanto à mulher parturiente quanto ao bebê. Essa assistência respeitosa é possível a partir do momento em que se reconhece a subjetividade da mulher e do bebê e se prioriza a autonomia destes, que são de fato os protagonistas do parto, e que precisam e devem ter os seus direitos e mais que isso, os seus quereres valorizados e respeitados.

É nesse ponto que se fundamenta a importância da humanização do parto e nascimento, já que essa prática garante muito mais do que um parto normal. Isso porque em hospitais, apesar da alta incidência de cesáreas eletivas, há também partos normais (entende-se aqui o parto por via vaginal), mas que por vezes violam as mulheres e seus direitos e anseios com a prática de indução, além de práticas e procedimentos equivocados que vão desde a obrigatoriedade da mulher parir deitada, em posição de litotomia, até à manobra de Kristeller e a episiotomia.

É impossível começar a estudar sobre o parto e a importância da assistência humanizada a esse evento único na vida de uma mulher e não se apaixonar pelo tema, não buscar cada vez mais conhecimento, interação e engajamento pela concretização de uma prática tão nobre, de valorização à vida e à subjetividade de cada pessoa.

Realmente me alegra perceber que essa questão vem ganhando espaço e incentivo em diversos meios e isso aumenta o desejo e a esperança de que a oportunidade de parir e nascer com respeito esteja cada vez mais ao alcance das pessoas."

Fernanda Canobel é jornalista e doula certificada pela Associação Nacional de Doulas (ANDO/Campinas).