Blog

Texto para reflexão: A questão do posicionamento psicológico dos pais em relação ao autismo

O assunto de hoje do nosso blog é a indicação muito especial da nossa querida psicóloga Lauana Pires. Vale a pena ler e refletir cada parágrafo deste post! ;)

"Muitos pais e mães relatam em seus depoimentos que, ao terem filhos autistas e, principalmente após o diagnóstico (em diversos casos transmitido com terrorismo por maus profissionais e terapeutas), sentem luto, depois sentimento de inferioridade em relação a outros pais e em relação aos filhos dos outros, e decepção, pois esperavam uma velocidade de desenvolvimento neurotípica de seus filhos autistas, e gostariam de ver seus filhos se desenvolvendo na mesma velocidade das outras crianças. Com isto, sentem fortes angústias, depressões, muito sofrimento e frustração.

Porém, o Processo de Desenvolvimento Autista é muito diferente do Processo de Desenvolvimento Neurotípico, e ambos não podem nem devem ser comparados um com o outro. Os pais não devem esperar da criança autista a mesma velocidade e as mesmas idades para os mesmos eventos que as esperadas para uma criança neurotípica. Não existe atraso do desenvolvimento, pois isto seria comparar os dois processos - algo vedado pelas regras da Neurodiversidade, e que devem ser observadas.

Neste sentido, os pais devem esperar da criança autística a velocidade do Processo de Desenvolvimento Autista e não devem se decepcionar com isto, pois eles têm uma criança autística e não neurotípica e, decepcionar-se por esperar um desenvolvimento neurotípico dela seria não aceitá-la como ela é.

O autismo tem diversas vantagens e benefícios ao autista que irão se manifestar mais pra frente, com o tempo, então, as pessoas precisam deixar de imediatismo e ter paciência, inclusive porque o Processo de Desenvolvimento Autista tem uma velocidade muito variável de caso para caso; não existem dois autistas que se desenvolvam exatamente na mesma velocidade.

O autismo é algo complexo, então é natural que leve mais tempo para se desenvolver. É como a diferença entre se fabricar um carro básico e um com muitos opcionais e equipamentos a mais: gasta-se um tempo extra para se montar o carro equipado, mas depois ele compensa pela maior sofisticação e por seu valor agregado.

Por este motivo, os pais não precisam ficar preocupados, transtornados. Isto com o tempo pode virar neurose e ser transmitindo aos filhos, o que é péssimo para os autistas.

Os pais devem procurar controlar sua ansiedade e seu imediatismo e não ficarem se comparando socialmente com os pais de crianças neurotípicas, isto é necessidade de autoafirmação, ego puro. Pai e mãe de autista precisam ter forte autocontrole emocional, e, se não tiverem esta estrutura, devem adquiri-la acompanhados por um psicólogo.

Não comparem a si mesmos, nem muito menos seus filhos, nem nunca sintam vergonha nem de si mesmos nem de seus filhos, procurem entender que apenas têm filhos diferentes e isto é muito bom, eles se destacam da multidão.

Nunca queiram que seus filhos sejam iguaizinhos aos demais, pois isto seria desejar o pior, não o melhor para eles, e se vocês ficarem com esta mentalidade comparativa e este complexo de inferioridade na cabeça, irão super proteger (algo péssimo, que nunca deve ser feito) e sem perceber, limitar o potencial de seus filhos, já que não enxergarão o potencial deles, especialmente em sua totalidade, e não os estimularão nem apostarão no seu potencial total e pleno. Ou seja, estarão subestimando seus filhos porque no fundo se sentem como se vocês tivessem filhos inferiores aos dos outros, o que NÃO é verdade.

Autistas não são inferiores a ninguém, em nenhum sentido. Percebam que uma nova maneira de ver o Autismo e o Autista, de modo positivo, sem comparações, pode evitar muitas crises, e o lidar adequado seguindo as regras da Neurodiversidade e os Preceitos dos Conhecimentos do Lado de Dentro do Autismo podem evitar a maior parte das crises, especialmente se aplicados desde quando pequenos.

Este novo posicionamento psicológico em relação aos Autistas, o Autismo e seus filhos, vai acabar com a maior parte destas angústias e sofrimentos (que são causadas principalmente pelas comparações sociais e seus reflexos), e acelerar as superações e os desenvolvimento dos seus filhos.

Vamos então olhar o Autismo e refletir sobre ele de uma maneira diferente, com outro enfoque, outro ponto de vista? Quanto mais amarmos o Autismo de nossos filhos, mais rápido eles se desenvolverão e superarão.

O contrário também é verdadeiro. Reflitam profundamente sobre isto e perceberão como uma mudança de atitude e de orientação na educação dos filhos será benéfica para eles e para os pais. Os resultados, para ser bem sincero e franco, vêm a longo prazo sim, é muito variável de caso para caso, mas sempre valerá a pena o esforço!"

Autor do texto: Cristiano Camargo